• Editora/Coeditora

    Ediunesc
  • Autor/organizador(es)

    Rose Maria Adami
  • Ano de publicação

    2015
  • ISBN

    978-85-8410-021-7
  • Idioma

    Português
  • Sinopse

    Onde está o rio Criciúma e seus afluentes, que faziam a alegria dos meninos do tempo do Pieri e de tantas outras pessoas? Está transformado. É só mais um canal com esgoto, metais pesados, matéria orgânica e outros poluentes. E a água? Onde está a água que antes descia livremente pelas encostas dos morros, matava a sede de alguns, movia pequenas indústrias e serpenteava, ora lenta, ora com violência, por entre a configuração de um povoado que se instalava ao seu redor?Observar a cidade, do alto do maciço do morro Cechinel, é perceber que os cursos d'água que formam o rio Criciúma não estão mais visíveis na paisagem. Hoje, o rio Criciúma só é percebido quando ocorrem as precipitações intensas, no verão. O desaparecimento dos cursos d'água da paisagem urbana é a representação materializada do significado que eles passaram a ter para a sociedade, enquanto grupo social. Mas este significado já foi diferente para alguns grupos dominantes ao longo da história de ocupação do território da bacia do rio Criciúma. A rede de drenagem escondida e/ou negada também demonstra que o processo de urbanização sem um planejamento adequado contribui para a degradação do meio ambiente e para o conflito de uso de determinado território.

ABEU - Associação Brasileira das Editoras Universitárias

Av. Fagundes Filho, 77, cj. 24, Vila Monte Alegre, São Paulo, SP, Brasil

+55 11 5078-8826

+55 11 93374-0927 (WhatsApp)

feirabeu@gmail.com

Receba nosso informativo